Zombie Apocalypse

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 19/10/2014, 20:30

Relembrando a primeira mensagem :

Aqui postarei os capítulos do meu blog.
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:29

Capítulo 20 - De volta ao Lar

Yuri havia se juntado ao outro grupo, do qual apenas os mais fortes dos sobreviventes entrariam, o grupo seria pequeno de no Maximo quinze pessoas.

No mesmo grupo, estavam Rafaela como a melhor Espiã, Yuri como o melhor espadachim, Amanda como a melhor em manusear Arco e Flecha, Suzane como a melhor em manusear facas e Kelvin como o melhor estrategista.

Yuri: Rayne vim falar com você e com o Pedro.

Rayne: Mas como você ta vivo? A Laura falou que você morreu.

Yuri: Conto depois vim em segredo e quero falar com vocês dois.

Rayne: Espera, vou chamar ele.

Rayne então vai para o fundo da base chamar Pedro, porem Laura e Emanuel ouviram tudo, e foram conferir se Yuri realmente estava vivo.

Todos do grupo saíram da base e foram falar com o Yuri que estava à espera de Rayne e Pedro. Carol foi uma das primeiras a chegar onde Yuri estava, sem nem pensar duas vezes pula em cima dele o abraçando.

Yuri: Carol sai de cima de mim, ainda estou fraco.

Lívia: Como você pode estar vivo? Eu vi você caído no chão.

Yuri: Então foi assim...

Yuri conta uma longa história de acordo com o que sabia muitos não acreditaram muito na história de Yuri, porem Lívia foi à única que quis saber o verdadeiro motivo dele ter aparecido depois de tanto tempo.

Lívia: Se você estava vivo, por que não apareceu antes? E o que veio fazer aqui com essas suas amiguinhas?

Yuri: Estou seguindo ordens da Rafaela, e vim chamar Pedro e Rayne para o grupo dos Melhores. E claro assinar um falso tratado de paz.

Pedro: Primeiro, para que você quer que eu e a Rayne entre no seu novo grupo? Segundo que grupo de Melhores? Terceiro, pra que tratado de paz?

Rafaela: Licença, mas você a Rayne são ótimos soldados, sei tudo sobre vocês dois. O grupo dos melhores é para aqueles que têm uma habilidade fora do normal, tipo você. E sobre o tratado não sei.

Yuri: O Tratado é para quando uma base estiver em perigo à outra ajudar, e não sermos grupos inimigos, como vocês e a E0.

Rayne: Por que eu e o Pedro temos que ir para esse grupo?

Suzane: Você é ótima em combate físico de mãos limpas, e o Pedro é o melhor atirador que existe, seria ótimo ter em nosso grupo.

Laura: E enquanto vocês quatros? O que tem de especial?

Rafaela: Sou a melhor espiã do mundo, Yuri o melhor espadachim, Suzane em combate físico com faca e a Amanda com o Arco e Flecha. E tem mais um dentro do carro que não queria ser visto, ele é o melhor estrategista.

Lívia: Como assim a melhor espiã? Até onde eu saiba, eu sei o nome das cinco melhores espiãs do mundo, e eu estou em segundo, não me lembro de nenhuma Rafaela.

Rafaela: Você deve me conhecer pelo apelido que ganhei.

Lívia: Qual seria?

Rafaela: Vento Noturno.

Lívia: Você é a Vento Noturno? Sempre quis uma batalha contra você, se eu te ganhar em espionagem, eu vou ser a melhor espiã do mundo.

Rafaela: Pode ficar com o titulo, não irá me servi mais para nada.

Emanuel: Mas Yuri, quem é o menino dentro do carro?

Yuri: Kelvin...

Felipe: O desgraçado do Kelvin no seu grupo?

Yuri: Como disse, estou seguindo ordens...

Antony: Por que não vem para nosso grupo de volta.

Emanuel: Com certeza você voltaria a ser o líder.

Yuri: A Rafaela salvou minha vida...

Rafaela: Bem, vamos decidir logo?

Rayne: Olha, eu agradeço a honra de ser considerado a melhor, e ser convidada para seu grupo...

Pedro: Eu até iria, se a Rayne fosse...

Rafaela: E enquanto o tratado?

Emanuel: Só por causa do Yuri estar em seu grupo que vamos aceitar.

Felipe: Espera... Tive uma ideia.

Yuri: Qual?

Felipe: Duvido que vocês tenham uma base, e vocês querem a Rayne e o Pedro em seu grupo...

Yuri: Sim.

Felipe: Então que tal vocês ficarem na nossa base?

Laura: Cada um de nós cuida de uma divisão, temos muitos membros, mas não temos uma divisão especial.

Felipe: Isso, vocês são do nosso grupo, mas a Rafaela é a capitã da divisão de vocês.

Rafaela: Deixa ver se eu entendi...

Rafaela: Estão oferecendo uma divisão para o Grupo dos melhores, mas como uma divisão especial, assim a Rayne e o Pedro viriam para o nosso lado, e o Yuri voltava a morar com vocês?

Felipe: Sim, e claro, que cada um da Divisão Especial teria seus próprios subordinados.

Suzane: Como assim?

Felipe: Você teria uns soldados que obedeceriam apenas a você, porem também teria que respeitar os outros capitães na sua ausência.

Rafaela: Então topou o acordo?

Emanuel: Sim, Lívia vai mostrar os quartos no terceiro andar, será lá que os membros da Divisão especial ficaram.

Lívia: Ok Emanuel, sigam-me mostrarei o dormitório, e alguém chame aquele escroto.

Igor: Pode deixar senhora, eu o chamarei.

Lívia: Obrigado Igor.

Emanuel: Felipe reúnam todos os líderes de divisões, vamos ter uma reunião.

Felipe: Ok vou chamar todos imediatamente.

Emanuel: Rafaela e Yuri venham com a gente para a reunião.

Rafaela: Mas acabamos de entrar e já vamos para uma reunião?

Yuri: Eu? Mas eu sou apenas um membro qualquer agora.

Emanuel: Venha agora, você pode ser membro qualquer, mais era o antigo líder.

Amanda: Ele era o antigo líder?

Emanuel: Sim, agora vão conhecer seus quartos enquanto fazemos a reunião.

Assim foi feito, na reunião se encontrava todos os antigos membros, a Rafaela e mais duas irmãs Gêmeas.

Emanuel: Decidi fazer essa reunião em cima da hora para dar uns comunicados.

Keila: Quem são os dois novatos nessa reunião?

Vitoria: Aquela ali eu conheço, já troquei tiros com ela...

Emanuel: Bem, passado é passado. Essa reunião foi feita para dizer que Rafaela será a Líder da Divisão especial.

Vitoria: Divisão especial?

Emanuel: Sim, uma divisão no qual membros delas terão os mesmos benefícios de um líder de capitão. Essa divisão possui os membros mais fortes de todos. E eu digo por que lutei contra um deles varias vezes e perdi.

Keila: Você perdeu para alguém no uso de espada?

Emanuel: Sim, ele é uma das pessoas em que mais confio irmão da Laura, antigo Líder do grupo. O Yuri mesmo sendo membro dessa divisão especial, ele terá sua própria divisão.

Felipe: Emanuel, não seria melhor dar a ele o cargo de vice-líder. Ficaria melhor ter dois vice-líder, assim quando o líder e um vice saírem, ter outro para tomar conta.

Emanuel: Estão todos de acordo com a Ideia do Felipe? Bem temos que ver com o Yuri primeiro o que ele acha da ideia antes da votação.

Yuri: Olha, agradeço muito, mas acho que ficar num cargo mais baixo tipo líder de divisão para mim está bom.

Emanuel: Bem, que assim seja vocês agora tem a permissão de saírem e procurar sobreviventes, tais que vocês mesmo irão treina-los, eles serão apenas seus soldados.

Felipe: Aqui o radio comunicador dos líderes de divisões, entregue esses também para as meninas e para ele...

Carol: Acho que assim, na nossa ultima saída encontramos vários sobreviventes e não treinamos nenhum, e já temos até de mais para nós cuidar. Não seria melhor entregar esses sobreviventes a eles?

Laura: Estou de acordo com a Carol, até por que, já temos muitos mesmo que cada um consegue cuidar. E não será melhor?

Yuri: Posso falar uma coisa?

Felipe: Diga.

Yuri: Olha, somos no total de dezesseis pessoas, que terão seus próprios soldados e tal, a base é grande, mais não o suficiente. Então que tal a gente pegar cada líder e cada um criar sua própria base por perto da base principal.

Andressa: Acho que entendi sua ideia...

Carol: Não entendi.

Yuri: Tipo, essa base seria a principal para reuniões e coisas gerais. Só que você pegaria seus soldados e criariam sua própria base. Tal que nessa base apenas sua divisão poderia ficar. E claro criar a base perto dessa.

Emanuel: Parece interessante. E a Base da Divisão especial? Seriam muitas bases dentro de uma.

Yuri: Como disse antes, essa base seria a principal até para a divisão especial, só que com a sala de reunião separada dessa. E como cada um da divisão especial teriam sua própria divisão, eles criariam uma para eles.

Emanuel: Todos de acordo com isso?

Vitoria: Gostei da Ideia.

Lívia: Por mim tudo bem.

Então todos foram de acordo com a ideia de Yuri. Os líderes antigos doaram um de seus soldados inexperientes para os membros da divisão especial.

Rafaela ficou em torno com trinta soldados, Yuri com vinte e cinco, e o resto ficou entre vinte e dez membros cada um.

Como cada membro da divisão especial tinha sua forma de combate, foram treinando seus soltados do modo que era treinado. O tempo foi passando de treinos.

Emanuel novamente marca uma reunião com todos os líderes das divisões e os membros da Divisão especial.

Emanuel: Bem, agora que todos já se enturmaram e tudo, e com a volta do Yuri para o grupo, ficamos sem ir à missão de resgate aos meus filhos.

Kelvin: Eu tomei a frente e fiz umas pesquisas e fiz umas estratégias cujo a E0, e tenho mais ou menos ideia da onde eles poderiam estar.

Rafaela: Minha equipe junto da Lívia e sua equipe, investigamos oitenta por cento de todas as zonas, e descobrimos o ultimo lugar que eles estavam. Nesse momento um dos meus subordinados estão seguindo pistas, e de acordo com a localização que o Kelvin deu, esta de acordo com as coordenadas que meu soldado está.

Emanuel: Muito bem. Quero que continue investigando. Partiremos depois de amanhã para buscar meus filhos.

Rafaela: Licença, meu subordinado está me ligando, vou colocar no viva voz.

Emanuel: Ok, por favor.

Rafaela: Alo? Onde você está e por que a demora de mandar as coordenadas?

Mateus: Sabia então vocês mandaram alguém atrás de nós?

Yuri e Emanuel: Mateus!

Mateus: Ora, pensei que o Yuri havia morrido, mas parece que estava enganado.

Yuri: Pois é, Deus me deixou viver só para arrancar suas tripas.

Mateus: Espere, tenho um amigo querendo falar com vocês.

João: Alo? Alguém escutando?

Laura: João desgraçado.

João: Pois é, fiquei sabendo que tinha um traidor em minha equipe que foi para a sua sorte dele...

Kelvin: Sorte minha? Por que mesmo?

Rafaela: Calem a boca, depois vocês namoram mais.

João: Ora, se não é a Vento Noturno.

Rafaela: Cadê meu subordinado?

João: Estaremos esperando vocês na Zona E-1

João: Desligando e encontramos com vocês há dois dias.

Emanuel: Desligue Rafaela.

Rafaela então desliga a comunicação e fica toda nervosa pelo seu subordinado.

Felipe: Então eles estão com três de nós, e vamos mesmo para a Zona E-1? Pode ser uma armadilha.

Kelvin: Não vai ser uma armadilha. Eles querem fazer nos pensarmos que é uma armadilha. Pelo fato de eu estar aqui eles quer nos confundir.

Lívia: Porem pode ser uma armadilha, e querem que você pense que não vai ser só para confundir você e você nos confundir.

Rafaela: Decidido. A Divisão Especial e seus subordinados vão à linha de frente verificar se realmente vai ser uma armadilha.

Emanuel: Se for vocês vão estar se entregando a morte.

Yuri: Morte? Eu comecei a desconhecer o que é isso depois de um tempo...

Rayne: Eu e minha divisão estamos pronta.

Pedro: A minha também.

Kelvin e Amanda: Minha divisão está pronta também.

Suzane e Yuri: Minha divisão está pronta a qualquer momento.

Rafaela: A Divisão Especial decidiu.

Emanuel: Ok, Laura, Antony e Kelvin, vão preparar as estratégias. Carol prepare sua divisão para o suporte. Andressa quero que você e sua divisão fiquem perto das montanhas. Laura você e sua Divisão vão atrás da Linha de frente junto a minha divisão e a do Felipe. Lívia sua divisão e a Divisão da Rafaela vão procurar rotas de ataques. Andreson você e sua divisão vão por cima com os Helicópteros e aviões. Suzane sua divisão vai à linha de frente, junto com a Divisão do Yuri. Amanda, sua divisão vai ficar na terceira linha de combate. Vitoria e Keila a divisões das duas ficarão ajudará a divisão da Carol.

Emanuel: Todos entenderão o que é para fazer?

Pedro: Você esqueceu-se de mim e da Rayne...

Emanuel: Vocês e suas divisões irão à linha de frente junto o Yuri.

Felipe: Vamos nos preparar para a Batalha.

Kelvin: Um minuto... De acordo com meus cálculos, a zona E-1 se encontra a maior quantidade de zumbi.

Felipe: Então eles têm uma base forte o bastante para aguentar a força dos zumbis, e por isso foi lá que eles marcaram o local da guerra.

Yuri: Eles querem que gastemos nossas forças e balas nos zumbis, para que na hora da batalha contra eles, estivermos fracos.

Emanuel: Antony, você e sua divisão vão pensar em algo para...

Yuri: Emanuel posso dar umas ordens aqui?

Emanuel: Se for ajudar pode.

Yuri então começa a dizer o que cada um e suas divisões devem fazer e onde ficarem. O plano que Yuri deu era bom, até melhor que o do Emanuel.

Kelvin: Estava vendo aqui, e fiz um mapa da zona, e o local que eles estão, ficará certinho de modo do combate que o Yuri deu.


Felipe: Bem, já decidimos. Agora vamos preparar nossas divisões para o combate. E lembrem-se, nossos inimigos são os Zumbis e a E0. Vamos eliminar os dois, e vamos evitar morrer.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:30

Capítulo 21 - Batalha dos Esquadrões
Parte 01


Numa das linhas de frente na hora da invasão, estava Laura e seu esquadrão, eram muitos, era o Esquadrão maior de todos.

Laura havia treinado muito depois da saída do irmão do grupo... Ela havia achado um monte de armas do qual eram difíceis de ser manuseadas.

Com o tempo ela havia pegado jeito com sua nova arma e estilo de combate, com isso conseguia vencer sozinha Emanuel ou Felipe.

E assim foi, no dia da invasão, ela estava com sua Kusarigama, estilo uma foice presa numa corrente com peso no final.

A arma podia atacar de ambos os lados, porem a que mais fazia estrago era a do lado da mini Foice. Os ataques e manuseamentos de Laura faziam com que sua Kusarigama acertasse o pescoço ou cabeça, e o cortava facilmente.

No meio do Campo, Laura e seu esquadrão iam atacando os Zumbis havia alguns membros da E0. Seu esquadrão de fato eram os melhor, eles iam fazendo um limpa onde estavam.

Em menos de horas eles já haviam limpado bastante onde estavam já estava na hora do outro esquadrão entrar ativa, mas antes de Laura dar o sinal, o comunicador que ela usava foi destruído por uma arma de Fabíola.

Laura: Meu comunicador... Quem é você?

Fabíola: Sou a sua Oponente, vamos ver se é tão boa assim.

Laura: Zé, você e o Esquadrão voltem, e avisem que terminamos.

José: Sim senhora!

Assim O Vice-Líder do Esquadrão de Laura, e o esquadrão retornam todos para a base, porem a equipe de Fabíola, armaram uma armadilha, fazendo com que bombas explodissem eliminando muitos soldados de Laura e até mesmo José.

Laura: O que você fez não foi legal.

Fabíola: O que? Só explodi vermes.

Laura: Que seja não vou lutar com você com minha arma, só a sujo com sangue, não com merda.

Fabíola: Vai preferir sujar as mãos?

Laura: Sim.

Nisso Laura e Fabíola correm uma em direção a outra, Laura com as Mãos limpas, e Fabíola com duas Facas.

Laura para começar o combate já com o impulso da corrida da um pulo e indo em cheio com os dois pés na cara de Fabíola. Porem a mesma que ia ser acertada consegue segurar os Pés de Laura e começa a rodar.

Laura sendo presa pelos pés e não conseguindo fazer nada, só resta tentar girar o corpo, fazendo com que Fabíola largasse os pés. Laura a ser Remesada consegue se posicionar e cair sem muitos danos no chão.

Nisso quando cai no chão é acertada pelo golpe da Fabíola, foi um gancho perfeito acertando o queixo de Laura.

Laura sem muitas opções, pega o braço de Fabíola e roda para trás, fazendo-o quebrar. Ao quebrar o braço direito de Fabíola, Laura chuta a parte de trás do joelho de Fabíola, fazendo-o a mesma cair de joelhos.

Laura na frente de Fabíola, segura ela pelo cabelo e começa a esmurrar, eram muitos socos, faziam até a mão de Laura sangrar. Depois da sequência de murros, Laura ainda prendendo Fabíola pelos cabelos, começa a dar joelhada na cara.

Fabíola já estava tonta, mais mesmo assim conseguiu tirar uma de suas facas do cinto e acertar em cheio a coxa de Laura. A faca ficou toda dentro da coxa da Laura, fazendo com que Laura parasse os ataques contínuos.

Dessa vez, foi à vez de Fabíola acertar varias vezes murros na cara de Laura, mas os murros não foi bastante, Laura mesmo com a cara toda machucada, usa sua cabeça e dá uma cabeçada perfeita em Fabíola, fazendo com que caísse no chão.

E com a explosão mais cedo que Fabíola ordenou, vários Zumbis foram atraídos, e assim o campo onde estavam, estava acontecendo uma verdadeira guerra.

Era o esquadrão de Laura, Zumbis e E0, mas o time de Laura estava ganhando, muitos morreram pelos zumbis, muitos foram devorados até ossos, outros viraram zumbis, e o restante sobreviveram.

Com o tempo sobrou só Fabíola do time inimigo. Assim mesmo com a batalha de Fabíola e Laura, o esquadrão de Laura ficaram protegendo ambas dos zumbis.

Laura estava conseguindo fazer combos e sequências perfeitas em Fabíola, eram chutes, murros e joelhadas. Um atrás do outro, fazendo com que Fabíola não tivesse tempo de revidar.

Laura já cansada da batalha, pega impulso e pula, nisso ela usa seus dois pés mirando a barriga da Fabíola, só que ela acabou atingindo os joelhos de Fabíola.

Laura: Droga quebrei o joelho dela... Bem vamos retorna.

Fabíola: Mate-me, termine o que você começou.

Laura: Desculpa, vejo sua boca se mexendo, só que não sei falar língua de fracotes...

Fabíola: Sua vaca.

Laura: Bem, essa vaca aqui vai continuar viva, e não vai ser alimento de zumbis.

Fabíola: MATE-ME.

Assim como não conseguia se locomover, Fabíola ficou parada no chão, vendo os Zumbis se aproximar, a equipe de Laura ir embora. E nisso ela lembra que tinha uma pistola na sua bota.

Pegando a Pistola e começa a disparar contra os zumbis, e mesmo assim eles continuavam se aproximando mais. E como não tinha escolha Fabíola decide se matar com sua pistola. Só que as balas haviam acabado.


E consequentemente Fabíola foi devorada, e Laura deu o sinal, que estava na hora do esquadrão das Gêmeas entrarem em ação.
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:33

Capítulo 21 - Batalha dos Esquadrões
Parte 02

Laura após derrotar sua inimiga, volta para a base e avisa que o próximo esquadrão poderia ir atacar os inimigos. Então assim, Henrique e seu esquadrão.

Henrique tinha a habilidade em combate usando uma marreta gigante, aparentemente do tamanho do martelo de Keyla. Henrique e seu esquadrão conseguia manusear facilmente a marreta gigante.

Assim foi o esquadrão avançou para o campo de batalha, foi uma luta até justa, pois apenas havia o povo do grupo principal e da E0, e ambos os grupos estavam usando uma marreta gigante.

E com o tempo, foi morrendo todos, sobrando apenas quatro membros, dois da E0 e os outros dois da divisão do Henrique.

Henrique: Caio, vai lutar contra aquele que eu luto contra esse.

Caio: Sim senhor!

David: Pode vir, parece que você é o líder certo?

Henrique: Sim, e prepare-se.

Henrique foi com tudo para cima de David, uma batalha feroz, tal que com qualquer vacilo, alguém iria ter traumatismo craniano.

Ao mesmo tempo em que Henrique fazia suas combinações com a marreta, David ia defendendo-se com seu martelo gigante.

David aproveita a guarda baixa de Henrique da cintura para baixo, e então se abaixa do ataque de Henrique, e ao mesmo tempo aproveita e usa seu martelo quebrando em vários pedaços o joelho de Henrique.

Henrique ainda manco e sem uma das pernas literalmente, continua atacando, abaixando novamente sua guarda. Nisso David novamente ataca só que acertando a mão direita, a mão de Henrique nem tinha osso para quebrar.

Ao levar o ataque, a mão de Henrique literalmente explode, e com tal ação deixa a marreta cair no chão. Mas mesmo assim continuava a lutar, mesmo usando apenas uma mão e um pé, ele ia lutando bravamente, com a esperança de conseguir completar a missão e ser cuidado por Carol.

Nisso, o companheiro de Henrique havia perdido na batalha, e o companheiro de David com uma arma mira em Henrique, só que acerta o pé que estava machucado.

O tiro faz com que os zumbis fossem atraídos. Nisso os zumbis devoraram o companheiro de Davi, ficando apenas David, Henrique e os zumbis no campo.

Andressa do campo dela percebe que Henrique estava com problemas e começa a eliminar alguns zumbis.

Mas não foi suficiente, eram tantos zumbis, que mesmo com David perfeitamente saudável, os dois foram devorados. Porem David virou zumbi e Henrique não.

Os zumbis que devoraram os dois deixaram praticamente a metade dos ossos dos dois de fora, Henrique foi o único que foi visto sendo devorado por completo, ficando apenas ossos.

De longe Andressa vê que Henrique havia morrido, e pega seu comunicador e avisa que o Esquadrão de Henrique e da E0 havia sido eliminado e que ficaram apenas zumbis no campo.

Yuri então pega o comunicador o liga e depois comunica.

Yuri: Eu serei o próximo.

Carol então pega o comunicador também e interrompe Yuri.

Carol: Vai merda nenhuma, minha vez de lutar, quero que vejam como uma medica luta.

Carol e seu esquadrão vão para linha de frente, aonde encontram com membros da E0 e zumbis.


Carol: Vamos, vamos mostrar que também sabemos lutar!

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:33

Capítulo 21 - Batalha dos Esquadrões
Parte 03

Carol era a líder do esquadrão medico, ela e seu esquadrão não lutavam muito, até por que se um medico sofresse algum acidente, não haveria outros para cuidar.

Carol tinha ganhado experiência em uma arma que se disfarçava muito bem, era um Tessen, um leque com facas ou adagas presas a ela.

Era uma arma muito afiada, se duvidasse, era mais afiada que as espadas de Emanuel e Yuri.

Muitos diziam que era um Leque mágico, que uma mulher no século 15 conseguiu parar um tornado com o Leque.

Carol e os seus amigos não sabiam, mas muitos das armas que tinham em sua base, eram de alguém lendário e muito famoso que parou algo que iria prejudicar muitas vidas.

Assim, voltando à história, Carol e seu esquadrão foram frente na batalha, encontraram com a E0 e zumbis no meio do campo, a E0 estavam usando facões ou Motosserras.

De fatos o grupo de Carol teriam muita desvantagem, mas mesmo assim ela foi de frente. Encarando vários inimigos, o Esquadrão de Carol estava arrasando, muitos inimigos iam caindo ao chão, porem o Esquadrão da Carol permanecia intacto.

Uns faziam do Tessen como um modo de Bumerangue, lançavam e depois o pegava do crânio do inimigo, independente se forem Zumbi ou da E0.

Mas os inimigos foram começando a ficar mais difícil, o Esquadrão da Carol foram começando a perder novamente, Ambos os grupos ficaram com muitos sobreviventes.

Carol: Todos vocês recuar!

Beatriz: Mas e a senhora?

Carol: O que é melhor, cem pessoas vivas para cuidar de centenas, ou uma para cuidar de centenas?

Carol: Eu vou ficar e enrolar eles o Maximo.

Beatriz: Eu não vou!

Carol: Beatriz, isso é uma ordem, vá, e se eu não voltar você será a nova líder!

Beatriz: Mas senhora...

Carol: VAI!

Assim todo o esquadrão medico retorna, ficando apenas Carol no campo de batalha.

Carol então da um sorrisinho de ironia, e tira o, sobretudo preto em que estava vestido solta no chão. O sobretudo ao cair, faz um barulho extremo, como se fosse feito de chumbo.

Carol: Sinto-me mais leve.

Carol então vai tirando os braceletes e luvas, que pesava muito também, depois tirou as meias e sapatos, e calçou um sapato normal, tirou os anéis e joelheira.

No total foram quase trezentos quilos em um corpo só. Carol ficou então mais leve e com certeza mais rápida. Assim, ela pega mais uma Tessen ficando com duas.

E foi correndo numa velocidade sobre-humana, e foi eliminando seus oponentes apenas com cortes na garganta e cabeça.

Assim, Carol conseguiu eliminar todos os zumbis, e quase todos os membros da E0 que estavam no campo.

Anna: Ora, pensei que era a única que andava com muitos pecos.

Carol: E quanto você carrega?

Anna: Não é me gabando, mas consigo correr como uma pessoa normal com 200 kg.

Carol: O quanto você anda?

Anna: 210 kg. E você?

Carol: Bem, para correr como pessoa normal uso 250 kg, mas estava usando 295 kg.

Anna: Vamos decidir nossa vida na batalha.

Carol: Sim, e qual é sua arma?

Anna: Uso apenas as mãos, me sinto mais leve.

Carol: Entendo, vou lutar com as mãos também.

Carol então pega os dois Tessen em que estava na mão e joga na direção de Anna, um vai para esquerda e o outro para a direita. Assim os dois eliminaram os dois últimos membros da E0, ficando apenas Anna.

Ambas foram correndo em direção para se encontrar, Carol como sempre afobada pula e prepara um murro bem forte, nisso Anna desvia e quando Carol parra por ela, Anna usa seu joelho acertando a barriga de Carol.

As duas começaram a batalhar eram murros e chutes, as duas eram muitas rápidas, quase quem tava de fora não conseguia acompanhar.

Carol vem correndo em direção de Anna, porém ela não vai com murro e nem chute, ela tropeça e vai se arrastando no chão. Só que pela a velocidade em que estava um dos pés conseguiu acertar o joelho de Anna, não a ponto de quebrar, mas só de machucar e perder muito movimento.

Assim, Carol já aproveitou que estava muito perto de Anna, e pula para cima acertando os dois pés no queixo de Anna.

Tal chute com muita força conseguiu quebrar o pescoço de Anna.

Carol: Mas já? Nem me machuquei...

Carol: Bem, vou voltar e avisar que terminei por aqui.

Carol pega o seu comunicador e avisa que havia terminado aquela parte, e que o próximo esquadrão poderia avançar.


Felipe se manifesta falando que o próximo seria ele.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:34

Capítulo 21 - Batalha dos Esquadrões
Parte 04

Era a vez do esquadrão de Felipe, era um esquadrão com pouquíssima gente, porem era tudo monstros.

O esquadrão tinha como membros pessoas bem alto, e mega fortes assim como Felipe. Tinham em torno de trinta membros contando com o líder.

Todos do esquadrão usavam duas foices de prata e uma fita presa a elas. Assim que Felipe e seu esquadrão começaram a avançar, o chão começou há tremer um pouco.

Logo alcançaram o campo e encontraram com os inimigos, eram muitos da E0, tinham mais que das antigas batalhas. Felipe logo foi correndo junto de seu Esquadrão.

Pareciam Ogros famintos, iam empurrando com o corpo, e os de trás iam pisoteando as cabeças e corpos, sem deixar nada, viravam literalmente massa amassada.

Nisso sobrando apenas o capitão da E0, que ia lutar contra todos do esquadrão do Felipe.

Augusto: Droga, não vou dar conta...

Felipe: Bem, agora eu cuido daqui, podem retornar!

Assim todo o esquadrão de Felipe voltou, ficando apenas Augusto e Felipe no campo de batalha.

Augusto começou a atacar Felipe com sua espada, Os cortes eram superficiais, pareciam que estava apenas arranhando Felipe.

Augusto ia fazendo cominações de ataques de espada com chutes e murros ao mesmo tempo.

Felipe já cansado daquela cena espera Augusto se aproximar, quando Augusto se aproximou para novos golpes Felipe com as duas mãos fechadas, da um soco na cabeça de Augusto.

O Soco foi o suficiente para fazer a coluna de Augusto virar ossos triturados.

Felipe: Mas já? Devia ter ficado para lutar lá dentro, devia ter mais gente forte...

Felipe então comunica que já havia terminado e que as perdas do seu grupo foi de zero.


Pedro pega o comunicador e avisa que ele seria o próximo a encarar o campo de batalha.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:34

Capítulo 22 - Batalha dos Esquadrões
Parte 01

Yuri e os outros de seu grupo já havia batalhando um pouco, já estavam exaustos, e alguns tiveram que gastar as balas.

Assim como a E0 planejaram, eles haviam gastado muita energia e muita munição, e na hora da batalha eles estariam fracos e em desvantagem.

Yuri então lembra que ele possuía um comunicador que Julio lhe entregou em caso de emergência caso ele precisasse. Assim Yuri então pega o objeto e o ativa.

Emanuel: O que está fazendo?

Yuri: Pedindo reforços.

Emanuel: Como é? Pedindo para quem?

Yuri: Mesmo ele tendo traído a gente, ainda confio nele.

Emanuel: Ta falando pela OAG?

Yuri: Sim, ele tem uma divida comigo, e será aqui que ficaremos quites.

Emanuel: Depois quero uma reunião e vamos conversar sobre isso.

Yuri: Ok, vamos logo.

Yuri ao ativar o comunicador, grandes sinalizadores sai do aparelho, que ao se juntar e se misturar no céu, forma a palavra OAG, que com certeza seria vista de muito longe.

Não com muito tempo Julio e seu grupo chegaram todos bem armados e equipados.

Yuri: Como você mudou.

Julio: Até que fim irei pagar a nossa divida, sua sorte é que estávamos aqui perto.

Yuri: Bem, queremos uma trégua por enquanto até eliminarmos a E0.

Priscila: Bem, estávamos vindos para cá para acabar com ele.

Emanuel: Julio...

Julio: Emanuel soube de informações confiáveis dos seus soldados que agora você é o líder...

Emanuel: De um dos soldados? Os membros dos esquadrões ou líder?

Rebeca: Bem, são os membros, mas em fim, ele morreu quando o esquadrão foi atacar...

Felipe: Vamos nos ajudar ou não?

Julio: Estamos aqui para isso.

Nisso o grupo principal e a OAG se uniram para acabá-la com a E0, assim todos começaram a correr em direção da base. As paredes já haviam sido destruídas pelos aviões e tanques.

Não foi muito difícil passar pela o primeiro pátio da base, no segundo pátio, muitos da OAG e do grupo principal morreram, no Terceiro e no quarto pátio, mais morreram. Já no quinto pátio, apenas os mais fortes dos grupos invasores sobreviveram.

Emanuel: Vão, eu irei ficar e impedi-los.

Yuri: Vou ajudar!

Julio: Tomem cuidado, agora é dentro do pátio, onde ficam os dormitórios e salões, só haverão os mais fortes.

Yuri: Julio cuide da Carol.

Emanuel: Felipe cuida da Laura!

Assim todos foram ficando apenas Yuri e Emanuel.

Yuri: Como no dia em que nos conhecemos?

Emanuel: Ok, vamos ver quem é o melhor.

Ambos que estavam tinha quase certeza que um não iria conseguir passar para a parte principal da base, pois os membros que estava no pátio eram muito fortes, que até o Felipe tinha dificuldades para derrota-los.

Os dois começaram a correr com suas espadas desembainhadas, começaram a lutar, Yuri tinha mais flexibilidade, agilidade e reflexos em combate com duas espadas, Emanuel tinha mais agilidade e reflexos.

Yuri logo quando se aproximou de seu inimigo, deu um pulo ameaçando enfiar uma espada em sua cabeça, com isso o membro da E0 se abaixa. Yuri aproveitando que seu plano ia de acordo usa seu pé acertando a nuca de seu inimigo, fazendo com que ele caísse no chão.

Assim o Yuri aproveita e cai em cima dele enfiando as duas espadas nele, uma acertou a nuca e o outro perto das nadegas direita. Em seguida pega o corpo caído no chão e joga em seus inimigos, fazendo com que a guarda deles abaixassem, e ele os matassem.

Emanuel já era mais pratico, não usava muito os pés, mas sim só as espadas, com uma ele ia defendendo os ataques de seu inimigo, e a outra ia fazendo cortes tão profundos que faziam as tripas caírem.

Emanuel, chegou a um ponto em que começou a batalhar com um cara muito grande e muito magro, seu corpo era muito desproporcional.

Esse mesmo inimigo tinha braços e pernas gigantes e bem flexíveis, ele conseguia de um modo dominar o corpo do inimigo, fazendo seus braços e pernas se enrolam no do seu oponente, e o conseguia mover com livre espontânea vontade.

Yuri muito ocupado com a batalha, não percebeu que Emanuel estava sendo atacado por trás, mas mesmo assim continuou sua batalha. Com um tempo, Yuri sente uma presença estranha atrás de si.

Era Emanuel pronto para degola-lo, mas Yuri conseguiu se esquivar, e Emanuel acabou degolando seu oponente.

Yuri: Mas que diabos está fazendo?

Emanuel: Meu corpo tá se mexendo sozinho!

Yuri: Como é?

Emanuel: Tem um cara me envolvendo com os braços e pernas dele, e ele faz com que eu me movimente.

Yuri: Tente virar de costa!

Emanuel com muito esforço conseguiu virar de costa, e seu oponente estava com a guarda toda baixa.

Yuri pensa em algumas possibilidades do que iria acontecer se ele o cortasse, e tentou a mais obvia, foi com tudo para enfiar a espada em seu inimigo, porem como ele previa, seu adversário sai das costas de Emanuel, fazendo com que a Espada o atingisse. Bem era o que o Inimigo pensava.

Yuri como já havia pensado nisso, com a espada que o tentou atacar pelas costas, o largou, fazendo acertar no Maximo um murro. E com a outra mão já havia a sua espada preparada. Sem muito esforço, Yuri com um golpe só, o degolou sem muito esforço.

Yuri: Vamos entrar no salão, eles devem estar brincando ainda.

Emanuel: Vamos sim.

Assim os dois já cansados e muito ofegantes, adentraram a parte principal da base, encontrando vários corpos caídos no chão e pela as escadas. Um desses corpos era o de Rayne, tinham duas espadas encravadas em seu corpo.

Yuri: Aquela ali não é a...

Emanuel: A Batalha vai ficar mais árdua quando chegarmos perto do Mateus...

Yuri: Ela ainda tá viva! Vou chamar o esquadrão da Carol para cuidar dele!

Emanuel: Vou indo!

Yuri: Ok.

Yuri pega o sinalizador vermelho que significava que alguém havia se machucado, e que o esquadrão medico deveria ir para socorrer. O Esquadrão medico foi o único esquadrão que não foi para a batalha, até por que, a única que sabia lutar do esquadrão medico era a Líder.

Assim que o esquadrão medico começou a cuidar de Rayne, Yuri prosseguiu por uma porta diferente, uma na qual Emanuel não foi.

Indo em direção a essa porta, Yuri foi encontrando vários corpos caídos no chão sem suas cabeças, até pareciam que haviam sido explodidas ou espremidas.

Yuri: Felipe deve ter vindo por aqui.

Yuri continuou a seguir o caminho em que decidiu trilhar, só que depois de algum tempo, chegou a uma sala aonde se dividia, uma tinha corpos caído no chão sem cabeças e o outro não.

Yuri: Felipe foi por aquele, vou por esse.

Yuri seguindo o caminho começou a encontrar novamente corpos, só que apenas com a garganta cortada. E mas a frente encontrou cinco homens espancando a Carol.

Nesse momento Yuri ficou cego, vendo sua melhor amiga sendo espancada. Ele nem pegou suas espadas, foi com os punhos. Começou a dar murros e chutes que quebravam mandíbulas, costelas e outros ossos.

Depois de um tempo, Yuri havia terminado com os caras quem batiam em Carol.

Yuri: Tudo bem?

Carol: Só to dolorida, e você?

Yuri: Minhas mãos estão doendo dos murros.

Carol: Dos murros? Você quebrou dois dedos naqueles murros. Você não tem pratica em luta com punhos, só com espadas.


Yuri: Tá, vamos logo.

Carol: Escutou?

Yuri: O que?

Carol: É a Laura gritando.

Yuri: Como? A Laura? Aonde?

Carol: Veio dali.

Carol e Yuri foram seguindo da onde o grito foi ouvido, chegando a uma sala com apenas uma entrada e saída, do qual foi a mesma em que vieram.

Nessa sala, eles conseguiram se encontrar com Pedro, Emanuel, Julio, Rebeca e Vitoria.

Vitoria: Ouvi o grito da Rayne.

Julio: Todos nós ouvimos.

Rebeca: De novo, outro grito.

Vitoria: É o grito da Keyla.

Vitoria ao tentar sair da sala é impedida rapidamente pela porta.

Pedro: Era uma armadilha.

A Porta havia sido trancada, e na mesma sala começou a vazar um gás sonífero.

Vitoria: Tenho que... A Keyla...

Todos que estavam dentro daquela sala acabaram desmaiando pelos gases. E Depois de um tempo, a porta foi aberta novamente.

João: Olha só Gabriel, temos gente nova aqui.

Gabriel: Vamos leva-los para aquela sala?


João: Não, vamos leva-los para o Mestre.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:35

Capítulo 22 - Batalha dos Esquadrões
Parte 02

João e Gabriel haviam feito uma armadilha, nisso Yuri, Pedro, Carol, Emanuel, Julio, Rebeca e Vitoria acabou caindo. Nessa armadilha era uma sala sem nenhuma saída e com gás sonífero.

Os setes haviam caído em profundo sono, em seguida Gabriel e João os pegaram e os levaram para Mateus ou o Mestre como todos da E0 o chamavam.

Em outro lugar distante estavam Laura e Keyla lutando contra um cara enorme e monstruoso, lembrava até o Felipe pelo tamanho e força. As duas estavam apanhando bastante. Keyla já não tinha mais forças de usar seu martelo, e Laura estava com o braço direito quebrado, que deixava mais difícil de usar sua arma.

Esse homem enorme já havia cansado de bater em duas mulheres, e decidiu terminar o serviço, pegou a cabeça das duas, e começou a espremer. Nesse tempo as duas começaram a gritar.

Foi com tal grito que Yuri e os outros haviam caído. Com o mesmo grito de dor, Lívia conseguiu chegar à sala onde Laura e Keyla estavam apanhando.

Sem fazer muito barulho, Lívia se aproximou do gigante, e com sua espada conseguiu arrancar fora o braço direito dele. Assim ele ao perceber sua presença pega Keyla que estava sendo segurada pelo braço esquerdo e a lança contra Lívia.

Lívia larga a espada no chão e segura Keyla para que ela não sofresse mais danos, assim que abriu sua guarda segurando a companheira, o membro da E0 aproveita e com sua única mão segura Lívia pela cabeça.

Depois de agarrar Lívia pela cabeça, começa a espremer assim como estava fazendo com Laura e Keyla.

Keyla com uma divida com Lívia consegue reunir um pouco de forças, e consegue levantar seu martelo alto o suficiente para um golpe.

Laura percebe o plano de Keyla e mesmo com o braço quebrado usa as duas pernas, dando um pule e um chute com os dois pés empurrando o homem contra a parede.

Keyla: Você ai que gosta de explodir a cabeça!

Assim que ele olha para Keyla, percebe que o martelo gigante vinha em sua direção. Keyla usou sua arma para explodir a cabeça do inimigo contra a parede.

Lívia: Obrigada Keyla.

Keyla: Você nos salvou antes.

Eliane: Estamos aqui para cuidar dos ferimentos de vocês.

Laura: Quem deu o sinal para chamar o Esquadrão Medico Eliane?

Eliane: Foi o Yuri senhora, A Rayne estava com duas espadas presas em seu corpo no salão principal.

Laura: Mas foi lá que ela ficou sozinha para lutar contra os capangas da E0.

Eliane: Agora colocarei seu braço no lugar, isso irá doer um pouco.

Eliane era uma das responsáveis abaixo da Carol pelo esquadrão medico. A mesma que ao colocar o braço de Laura no lugar quase ficou surda com o grito.

Em um lugar mais distante estava Rafaela correndo entre os corredores com uma velocidade muito rápida. Passava sem ser percebida pelos inimigos, e quando era só bastava dois segundo para os mesmos estarem mortos.

Rafaela: De acordo com esse mapa, deve haver uma porta escondida que leva para o Matheus.

Amanda: Rafaela o que está fazendo aqui?

Rafaela: Olá Amanda, estou procurando uma porta escondida.

Amanda: Bem, vou te ajudar, por que estou seguindo um mapa que estava caído no chão.

Rafaela: Era o mapa que eu peguei emprestado de um cadáver.

Amanda: Suponho que foi você que matou...

Rafaela: Bem, mais ação e menos conversa.

As duas começaram a procurar a porta, e com um tempinho de procura escutou vozes de muitos capangas se aproximando. Rafaela era pratica, conseguiu pular para a ventilação de ar, Amanda já não tinha a facilidade de pular assim.

Rafaela ajudou Amanda a subir na ventilação, e as duas ficaram escondidas vendo os dez capangas mais João e Gabriel se aproximarem. Os mesmos que puxaram uma tocha fazendo uma parede virar escada.

João: Vocês fiquem ai protegendo, eu e o Gabriel vamos leva-los ao mestre.

Rafaela: Olha, eles estão com o Pedro e os outros.

Amanda: Temos que ir ajuda-los.

Rafaela: Não, o João ele é pequeno, mas é bem esperto e bem mais forte do que aparenta.

Amanda: O que iremos fazer?

Rafaela: Vamos observar e atacar assim que eu der o sinal.

As duas ficaram observando, e como mágica a parede se fechou e voltou ao normal, nesse tempo Suzany apareceu no corredor, e em questões de segundos, os dez capangas da E0 estavam com suas cabeças caídas no chão separado de seus corpos.

Amanda e Rafaela desceram da ventilação de ar, e foram dar as informações para a Suzany.

Suzany: Quer dizer que atrás dessas paredes o chefe da E0, os filhos da Laura, e a Carol e outros estão lá?

Amanda: Sim, vou avisar os outros.

Rafaela: Modifiquei esse comunicador para que os setes que estão lá dentro não receba a notificação.

Amanda pega o comunicador e avisa aonde se encontrar, alguns não foram que provavelmente estavam lutando ou infelizmente estavam mortos.

Com espera de um tempo, Lívia, Laura e Keyla se juntaram Depois Priscila, e assim todos se juntaram.

Rafaela: Olha, estive observando e atrás dessa parede é aonde nossos amigos e o motivo de termos invadido aqui se encontra.

Laura: Vamos invadir.

Lívia: Laura seu braço já melhorou?

Laura: Já sim, mas vamos deixar isso para depois.

Felipe: Vamos atacar com todas nossas forças para salvar nossos amigos e os bebês,

Assim Rafaela puxou a alavanca fazendo a parede virar escada dando para o subsolo. Todos foram descendo de vagar.

Chegando ao fundo, encontraram Mateus em pé olhando para Vitoria e os outros que estavam presos. Ele estava torturando cada um, deixando-os apenas com as roupas intimas.

Keyla: Vitoria...

Rafaela: O que ele está fazendo?

Kelvin: Ele deixa as vitimas com a roupa intima para ter mais espaço para os cortes, depois ou a pessoa morre de hemorragia, ou quando aguenta a tortura ele arranca a cabeça.

Eles ficaram observando para o momento certo para atacar, assim Mateus pega sua Foice de três dentes olhando para Emanuel. Ele faz gesto de quem vai degolar Emanuel e Yuri ao mesmo tempo.

Laura: NÃO!

Rafaela: Laura.

Mateus: Sabia que tinha gente observando, fiz apenas um teste.

João: Devo mata-los senhor?

Mateus: Não, apenas os captures, quero brincar com eles.

João e Gabriel estavam mais fortes, pegaram suas armas e avançaram, no meio da escuridão aonde iam passando, mais líderes de grupos da E0 iam aparecendo, uns pequenos e fortes, outros grandes e magros, outros pequenos e magros, e tudo misturado, tinham de mulher a homem, de jovem a velhos.

Kelvin: Olha, de acordo tem um líder para cada um de nós.

Suzany: Vamos derrota-los então.

Todos começaram a avançar de encontro, e a lutar, Os que possuíam armas de longas distanciam ficavam de longe e iam atirando, porem os líderes da E0 eram muito fortes, conseguiam desviar das balas e flechas.

Keyla já havia reunido novamente suas forças, já tinha a força suficiente para levantar um cavalo sem muitos problemas. A mesma com seu martelo ia fazendo ataques tão fortes que se acertasse, nem o osso mais forte aguentariam.

Keyla estava lutando contra uma menina de seu tamanho, mas sua aparência era de uma menina fraca. Porém, quando o martelo veio em sua direção, a menina conseguiu impedir usando o antebraço.

Keyla: Isso é impossível.

Izabel: Nada é impossível quando você realmente treina, veja isso.

Izabel pega o braço de Keyla e a levanta para o alto e a joga contra parede com facilidade.

Em outra Batalha estava Felipe e um cara menor que ele e bem mais gordo.

Felipe ia dando murros na barriga do adversário e nada acontecia. Todos estavam levando uma surra da E0.

Mateus: Chega, eles não aguentam mais, prestem atenção todos vocês, amigos e inimigos, é isso que acontece com quem se opõem contra a E0.

Mateus então quando consegue a atenção de todos por alguns momentos, pega sua foice e a levanta pronta a degolar Pedro, Yuri e Vitoria ao mesmo tempo.

Vários tiros foram disparados, todos os tiros acertaram os membros da E0, um dos tiros acertaram os ombros de Mateus o impedindo da ação, o peito de Gabriel e João.

Felipe: Quem foi?

Rayne: Estou ferida... Mas ainda...

Rayne estava fraca, ela sempre dizia que preferia morrer a abandonar seus amigos. Os pontos estavam abertos, ela estava com hemorragia. Ela estava com duas metralhadoras automáticas.

Laura: Rayne!

Rayne não se aguenta e acaba caindo do resto da escada, ela estava ofegante e com suada. Seus pontos por estarem aberto, ela estava em perigo.

Felipe: Andreson e Kelvin, levem a Rayne para nossa base, Vocês me ajudem com o Pedro e os outros. Laura, vai pegar seus filhos que estão na cesta em cima da mesa.

Assim todos foram fazer as ordens de Felipe. O tempo se passou, as cicatrizes de uma longa batalha estavam expostas. Rayne já estava melhor assim como os outros. Laura e Emanuel não largavam de seus filhos.

Yuri: Desse jeito eles vão acabar sendo mimados.

Carol: Yuri, falando nisso... Lembra-se daquela nossa noite?

Yuri: Não me diga que você...

Carol: Sim, eu estava, mas naquela batalha acabei perdendo.

Laura: É parece que você ia ser papai...

Felipe: Bem vamos comemorar nossa vitoria, vamos fazer homenagens a tantos homens mortos.

Emanuel: Bem, como a OAG nos ajudou, pensei em chama-los para cá.

Yuri: Já fiz isso.

Felipe: Sem me constatar?

Yuri: Mania de líder nunca acaba.


O dia ia bem, todos comemorando a vitoria e a derrota da E0, porem eles não haviam conferido sem Mateus havia morrido.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:36

Capítulo 23 - Uma vida quase normal

Estavam todos os poucos que conseguiram sobrevier da invasão contra a E0, tanto o grupo de Emanuel quanto a OAG. Ambas as equipes estavam comemorando a vitoria que havia conseguido.

Mas tal felicidade se passou com grandes explosões vindas da parte aonde se encontravam todos os meios de transportes. Algo havia feito com que todos os carros, alguns aviões e helicópteros explodissem.

A Explosão tomou conta de toda a base, fazendo grandes feridos e mortos, Alguns conseguiram ficar consciente. Antony estava um pouco longe da Base dando um passeio com os Filhos de Laura.

Os três estavam a salvos e intactos, assim que ocorreu a explosão, Antony foi correndo imediatamente a base destruída. Lá encontrou alguns ajudando a tirar outros debaixo dos destroços da base.

Emanuel estava com Laura em seu colo, Laura havia quebrado o pescoço, seu pescoço estava todo torto, Felipe estava pouco machucado, mas continuava a procurar por sobreviventes. Uma das poucas medica estava debaixo dos destroços também.

Em outra parte, estava Carol gritando por ajuda, enquanto Andreson estava caído no chão com uma barra de ferro presa em seu corpo e muitas pedras em cima.

Julio havia colocado seu corpo em cima de Rebeca para que os danos dela houvessem de serem poucos.

Felipe: Mas o que foi isso?

Rafaela: Um avião com o símbolo da E0 soltou uma dúzia de bombas aqui.

Rayne: Pensei ter matado todos eles.

Rafaela: Vamos nos preocupar com isso depois, Rayne vá chamar a Carol, a Laura ainda está viva, apenas o pescoço que quebrou.

Rayne: Com tudo ainda continua viva.

Rafaela: Não por muito tempo, caso o socorro demore.

Assim os gritos de desesperos de Carol conseguiu alcançar os ouvidos de Pedro e de Kelvin. Os dois foram socorrê, mas ela estava bem, mas Andreson estava com uma barra de ferro atravessada em seu pulmão.

Kelvin e Pedro começaram a retirar as Pedras de cima de Andreson, mas quando o conseguiu livra-lo já era tarde de mais. Andreson havia morrido por hemorragia interna.

Laura estava em risco, mas com alguns equipamentos de ultima hora, seu pescoço foi neutralizado, apenas havia que repousar.

No dia seguinte, alguns que estavam bem decidiram fazer uma missa para aqueles que mesmo depois da batalha não havia sobrevivido.

Quase todos os esquadrões dos dois grupos foram mortos, alem de outras pessoas de patentes altos. Andreson era um deles, assim muitos outros.

Muitos estavam presentes ali na despedida, foi um buraco enorme aonde todos os corpos foram jogados e cremados, para que não venha ocorrer que por acaso virarem zumbi.

O tempo havia passado Laura já tinha melhorado, Yuri estava com cede de vingança mais que nunca, seu esquadrão havia sido morto, sobrando apenas o antigo grupo;

A OAG fez um pacto de aliança, só que cada um em sua área de sobrevivência, mas logo depois que tudo se acalmou, OAG foram embora, e Yuri juntou suas duas espadas e partiu em uma direção nada haver com tudo.

Yuri tinha saído na calada da noite, enquanto todos dormiam, no dia seguinte, apenas pensaram que ele havia ido passear, mas na segunda semana começaram a ficar muito preocupado.

Carol: Onde ele está?

Emanuel: Não sei, vamos esperar por alguma noticia, ou ele aparecer...

Carol: Não vamos fazer nada?

Emanuel: Ele já sabe se cuidar se saiu de noite, foi por que ele não queria por perto. E temos que nos preocupar em achar algum lugar para ficarmos e ter suprimentos.

Laura: Emanuel, tava pensando naquela base, antes de irmos para o laboratório.

Emanuel: Ok, vamos para lá, mas vamos ter que trabalhar muito.

Com muito tempo de caminhada a pé, eles conseguiram encontrar uma camionete com motor funcionando, e metros depois um carro com muita gasolina.

Pegaram a gasolina do carro e colocaram na caminhonete, e em seguida partiram em direção ao shopping aonde já havia sido sua base.

E com certeza teriam que fazer toda a limpeza como já haviam feito. E só que dessa vez o shopping tinha o triplo de zumbi que tinham da ultima vez que passaram por ali.

Na tentativa de limpeza Antony que meio que ficou com o cargo de Babá dos gêmeos tentou se esconder a ponto de conseguir defender a ele e aos bebes.

Laura foi junto com Antony, assim dois defenderiam mais que um, muitos zumbis foram os cercando, Laura e Antony acabaram se empolgando na tentativa de proteger os bebes, e acabaram deixar passando um.

O mesmo zumbi que conseguiu passar pelos dois, acabou devorando Paula, e quando ele foi para atacar Paulo, Antony conseguiu o derrotar. Laura havia ficado em choque vendo sua filha ter sido devorada.

Antony estava sozinho e lutou bravamente, porem acabou sendo mordido no pescoço, e consequentemente Paulo foi devorado também. Carol e Lívia quando viu que Antony e Laura estavam em apuros foram ajuda-los.

Porém Antony já estava morto, seu pescoço e braço esquerdo já estavam devorados, assim como os filhos de Laura. A mesma que estava no chão sem reação ao presente.

Lívia e Carol conseguiu salvar Laura, porem ela já estava irritada com o mundo, primeiro seu irmão vai embora, em seguida seus filhos morrem.

Laura irritada pegou sua arma e começou a lutar como se só ela estivesse viva, seus ataques iam até mesmo contra seus amigos, que por sorte conseguiam desviar.

Emanuel chegou perto dela e a segura com um abraço, e depois a pede desculpa. E quando termina de falar dá um murro certeiro fazendo-a desmaiar.

Emanuel: Carol pega ela aqui e a leve para dentro da caminhonete, por favor.

Carol pega Laura e a coloca dentro da caminhonete onde ficaria em segurança.

Rafaela estava no ultimo andar, e como tinha um pouco de zumbi lá, não se esforçou muito, apenas ia jogando lá de cima, Rayne e outros que estava dentro do shop e em algum andar iam fazendo o mesmo.

No final da noite de Dezembro já estava nevando, o tempo era frio, então fizeram uma grande fogueira com o corpo dos zumbis.

Na hora que foram dormi, voltaram para seus mesmos quartos, e para quem não tinham, no dia seguinte iriam criar seu próprio quarto, assim como todos fizeram ano passado.

Com o tempo no pátio do Shop refizeram a horta, conseguiram algumas vacas, ovelhas, porcos, galinhas e até criaram um lago nos fundos colocando peixes lá dentro.

Já estavam acostumados a viver ali, a terra era verteu, davam muitos alimentos, tava em época de procriação dos animais. Tudo ia bem até que eles chegaram.

Laura: Olá Julio há quanto tempo.

Julio: Trago noticia, Yuri foi se encontrar com Ele.

Laura: Ele? O Mateus?

Julio: Sim, ele conseguiu descobrir onde Mateus estava e parece que foi se vingar pelo ocorrido.

Rebeca: Estamos aqui por que nos importamos com ele.

Emanuel: Entre, a Andressa fez o almoço, vamos conversar lá dentro.

Assim o pequeno grupo de cinco pessoas da OAG entraram no shop/lar e foram tratar sobre o Yuri.

Laura: E quem são esses três ai com vocês?

Rebeca: Esse é o Vitor, essa é a Stephanie e essa é a Yana.

Laura: Prazer!

Yana: Bem, viemos aqui para pegar apenas cinco pessoas para que possam ir numa longa jornada atrás do Yuri.

Vitor: Temos informações que Yuri está tentando se infiltrar como soldado na E0 e que Mateus já conseguiu reunir mais seis membros.

Stephanie: E se o Yuri se infiltrar, e descobrirem, ele estará em maus lençóis.

Rebeca: Vamos partir hoje à noite.

Laura: Perdemos o Andreson e o Antony, com certeza eles iriam.

Rebeca: Quando perderam o Antony?

Laura: Quando tentávamos retornar para o Shop. Mas enfim vou reunir cinco.

Com o tempo rapidamente foram formados que os cincos que partiriam atrás de Yuri, eram Kelvin, Carol, Lívia, Keyla e Pedro.

Julio: Iremos Partir, pegue esse comunicador, todos os dias, exatamente quando o sol se por manteremos contatos.

Felipe: Ok, e tomem cuidado.

Assim os dez partiram em uma longa jornada, Rebeca foi passando o plano a limpo para que cada um soubesse de seus cargos.

Assim chegaram aonde se diziam a base da E0, encontrando-se Yuri e Mateus numa terrível luta, havia muitos corpos caídos no chão com a garganta profundamente cortada, provavelmente foi Yuri.

Julio: Minha oportunidade, Yuri está ocupado distraindo o Mateus, apenas um tiro irá mata-lo.

Julio pegou sua Sniper se posicionou no chão e com a mira certa na testa de Mateus deu apenas um tiro.

Yuri de longe tinha visto o que Julio iria fazer, e com uma de suas estadas tentou bloquear o tiro, porem a potencia do tiro era tanto que a espada se quebrou, e o tiro acertou a cabeça de Mateus.

Yuri se aproxima de Julio, e joga a bala toda suja de sangue em Julio.

Yuri: Ai sua bala, agora que vieram me buscar vamos indo.

Yana: Pensei que seria mais grato ou mais Educado.

Yuri: Fale o que quiser, mas vamos demorar três dias até voltarmos onde estavam.

Rebeca: Mudaram de base, agora estão naquele Shop.

Yuri: bem, vão ser dez dias então, vamos indo, teremos muito que percorrer.

Eles haviam matados todos da E0, aniquilaram completamente um dos seus maiores inimigos. Mas na volta do shop passaram por uma cidade que até era de se estranhar, nem tinha zumbi nas ruas.

Yuri: Vamos pelo sul.

Vitor: Mas demoraríamos mais de dez dias para voltar.

Yana: Se quer ir pelo sul, vá sozinho, vamos por aqui.

Yuri: Pense, passamos por duas cidades coladas, e nem um zumbi foi encontrado, aonde pensa que poderiam estar?

Julio: Agora que ele falou é verdade, não vimos um zumbi até que matamos o Mateus.

Assim todos eles teimaram tanto que continuaram seguindo a cidade em vez de seguir pelo Sul, resultado foi eminente, a cidade parecia um formigueiro. Eram muitos zumbis que doze tanques de guerras poderiam cuidar.

O jeito foram se separar e for para os prédios, Yana e Yuri que não haviam se gostado pelo primeiro olhar acabaram ficando juntos no mesmo prédio.

Yana não gostava de Espadas, mas amava Machados, e os dois foram lutando bravamente. Em outro prédio, Julio e Kelvin, e uma sobrevivente que acharam por sorte.

Julio começou a atirar com sua pistola enquanto Kelvin recuava subindo as escadas, e fechando a porta. Julio e a Sobrevivente estavam em Apuros.


E assim na verdade, todos estavam em apuros, era um grupo muito pequeno para muitos zumbis. Era até mais fácil derrotar a E0 cinco vezes que derrotar tanto zumbi.
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:37

Capítulo 24 - A traição e a Desconfiança

Yana e Yuri estavam em maus lençóis, estavam combatendo muitos zumbis a curta distancia, as chances de se darem mal eram muito grande. Já Julio e a sobrevivente estavam em pior situação, estavam os dois, quase sem munição, e Kelvin havia traído Julio o deixando como isca para sua sobrevivência.

Julio pega uma corda e amarra em si e na sobrevivente, e depois amarra em algo firme, em seguida ele pula pela janela, e pegando um impulso correndo pelas paredes, ele pula no prédio à frente.

Nesse prédio estavam Carol e Lívia, sentada em uma pilha de zumbi. As duas conseguiram eliminar os zumbis que estavam atrás delas, estavam exaustas e sujas de sangue.

Julio: Ainda bem encontrei com vocês.

Lívia: Julio, ainda bem que está vivo, e pelo jeito achou uma sobrevivente.

Carol: E o Kelvin? Ele não estava com você?

Julio: Aquele filho da mãe atingiu minha perna para que eu não corresse mais, e se trancou no terraço, deixando eu e ela sozinhos como isca.

Carol: Bem que o Emanuel tinha me avisado, agora poderei seguir com minha missão secreta a partir de agora.

Julio: E qual seria?

Carol: Quando ele se juntou a nós, Emanuel me deu a missão de ficar de olho, e se ele traísse em qualquer momento, eu poderia mata-lo.

Julio: Desculpa, mas agora eu estou roubando essa sua missão.

Carol: Por mim, não faço questão de sujar minhas mãos com quem trai os “amigos”.

Lívia: Mas e essa menina? Qual é seu nome garota?

Ana: Me chamo Ana Laura, mas podem me chamar de Ana.

Lívia: Prazer, sabe usar uma dessa?

Ana: Estamos vivendo esse inferno a quase três anos, como acha que estou viva?

Julio: Bem, vamos atrás dos outros, A Yana e o Yuri estão juntos, eles conseguirão ficar bem.

Lívia: Pedro está sozinho, Vitor está com Rebeca e Stephanie está com a Keyla.

Julio: Como sabe disso?

Lívia: Sou uma boa espiã, já descobri a localidade de todos. Assim vamos atrás de Pedro que está mais perto.

Assim os quatros saíram do prédio e foram em direção a uma pequena casa, que estava infestada de zumbi, lá estava Pedro com suas metralhadoras e pistolas, economizando o Maximo de bala o possível.

Já Yana e Yuri, estavam lutando para sobreviver mais brigando. Eles não tinham ido um com a cara do outro. Mas mesmo assim, faziam de tudo para salvar seu parceiro.

Com um tempo, o Machado de Yana já estava todo sujo de sangue, já tinham eliminado todos os zumbis daquele pequeno apartamento aonde tinham entrado.

Em seguida os dois descansaram, foi quando os dois voltaram a discutir, e na briga Yuri ameaçou matar Yana, e depois colocaria a culpa nos zumbis. Até por que eles confiavam nele.

Yana se levanta do chão e esbarra num abajur, que ao cair abre uma porta que estava encostada, e atrás dessa porta estavam mais três zumbis, que se aproximaram rapidamente atrás de Yana.

Sem pensar duas vezes Yuri se aproxima correndo em direção de Yana com sua Katana pronto para matar os zumbis. Só que a Yana não havia vistos os mortos, e pensou que Yuri estava indo mata-la.

Ao se abaixar para desviar do golpe que não iria acerta-la, ela vê as cabeças caindo ao seu lado. E com um enorme pulo para frente cai e bate a cabeça na quina de uma Mesa.

Ao cair Yana desmaia, e fica caída no chão, Yuri começa a rir da desastrada que acabou de salvar e olha para a casa ao lado, e lá vê Keyla e Stephanie.

Yuri pega Yana no colo, guarda sua espada e segura o machado dela, e começa a caminhar um bom caminho que parecia nunca acabar. Yuri consegue chegar às duas colegas de resgates.

Keyla estava com uma enorme mordida no ombro, por sorte a mordida não havia atingido uma veia arterial. Porém estava perdendo muito sangue e que os vírus já estavam se espalhando.

Stephanie: Ajude-me, ela foi me salvar e acabou sendo mordida no meu lugar.

Yuri: É Stephanie né? Pega na minha mochila uns equipamentos de ciência, e uma seringa.

Stephanie: Tá, e o sangramento?

Yuri: Estou pressionando.
Yuri: A Yana podia acordar para ajudar.

Stephanie: São esses equipamentos?

Yuri: Sim, agora segura esse pano aqui na mordida.

Keyla: Yuri... Mate-me logo... Não tenho mais chance de viver.

Yuri: Cala a Boca, estou já preparando um remédio.

Stephanie: Remédio para vírus de zumbi?

Yuri: Longas histórias depois têm que preparar para a OAG.

Yuri então começou a tirar seu sangue e a fazer o antídoto que muitos do inicio da equipe já haviam tomados. Depois de um tempo, Keyla já tinha perdido a consciência estava branca e seu corpo gelado.

Yuri pegou injetou o antídoto fez primeiros socorros básicos na mordida, e pegou um pouco de seu sangue que era compatível com de Keyla.

Yuri ficou deitado com Keyla enquanto ela recebia seu sangue, Yana Acordou com dor de cabeça, e ficaram Stephanie e Yana ficaram eliminando alguns zumbis que viam se aproximando.

Depois de um tempo os quatros se trancaram em um quarto, pois Yuri tinha doado muito sangue, mais que o normal, e Keyla estavam inconscientes, Yana e Stephanie estavam cansadas por lutar tanto.

Assim escutaram tiros e zumbis batendo com força na Parede, quando tudo ficou quieto, Stephanie abriu a porta e deu de cara com Vitor, que com o calor da adrenalina levou um soco forte de Vitor.

Rebeca: Cuidado, ela é nossa Aliada.

Vitor: Foi mal, foi o calor do momento, não esperava encontrar com eles aqui.

Rebeca: Ok, mas o que aconteceu para Yuri está tão pálido assim? E a Keyla por que esta assim também?

Stephanie: Keyla foi mordida, Yuri preparou um remédio do sangue dele, injetou nela, depois doou seu sangue para ela. Só que ele doou mais do que devia.

Rebeca: Vitor corre na casa aonde o povo ta e chama a Carol urgente.

Vitor: Por que a Carol?

Rebeca: Por que ela é a única medica aqui.

Vitor: Mas não gosto dela.

Rebeca: Que me importa, corre lá!

Vitor saiu do pequeno prédio onde estava e encontra uma moto, depois a pega e rapidamente chega a casa, avisa Carol do ocorrido, e depois a leva onde Yuri estava.

Pelo comunicador, Carol diz ao Julio que a situação do Yuri estava pior do que devia, e que eles tinham que ir logo para a base deles.

Julio logo conseguiu uma Kombi e os levou. A viagem durou em torno de horas, e ao chegar ao shop, Yuri e Keyla logo foram para a enfermaria, aonde foram cuidados devidamente, aonde a Keyla havia sido mordida, estava preto, estava com tétano. E Yuri estava com falta excessiva de sangue, a qualquer momento poderia morrer.

Carol: Laura, Rayne e Vitoria, irá tirar sangue das três. Julio e Felipe irão tirar sangue de vocês também.

Ana: O que ela está fazendo?

Andressa: Ela é uma ótima medica, ela que sempre cuidou da gente, sem falar que é muito forte. Alias, tenho que preparar uma ótima comida.

Pedro: Vou alimentar os animais.

Ana: Ei, posso ir com você? Eu trabalhava como a inspetora de alimento no Zoológico da Zona A8.

Pedro: O maior Zoológico de todas as Zonas?

Ana: Sim, poderei ser útil aqui, quais animais vocês tem?

Pedro: Cavalos, Cabras, Vacas, Galinhas, Porcos, Peixes, Piranhas, Jacarés, Coelhos, Dois filhotes de Lobo e Pastor Alemão.

Ana: Nossas vocês tem um Zoológico aqui é? E aonde tão os Peixes, Piranhas e os Jacarés?

Pedro: Pegamos onde ficava o Jardim do Shopping, escavamos três buracos enormes e enchemos de água.

Ana: Bem, posso ficar responsável por cuidar dos Animais?

Emanuel: Não. Não sei quem você é, tenho a sensação que já te vi antes, e não gostei de você.
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:37

Capítulo 25 - Aliança da Sobrevivência

Emanuel: Não gostei de você, estou com uma má sensação de você.

Ana: Mas o que?

Emanuel: Por favor, retire-se do shopping.

Julio: Ana venha para a OAG.

Ana: Nunca fiquei no grupo, e pensando bem, estou viva até agora por está sozinha se preocupando apenas comigo mesmo.

Emanuel: Desculpa, mas estamos passando por um momento critico.

Ana então pega sua mochila e sua arma e vá se retirando do shopping quando é impedida por Laura.

Laura: Ei Ana, espere.

Ana: O que é? Se não sou bem vinda, vou embora. Ainda tenho vergonha na cara.

Laura: O Emanuel só está preocupado com o Cunhado dele. Mas espere tudo se acalmar. Até por que, sou a esposa do Líder e irmã do antigo Líder.

Ana: E?

Laura: Tenho boa influencia aqui. Então se eu falar que você fica você vai ficar.

Ana: Mas o Líder não quer que eu fique.

Felipe: Mas eu quero.

Ana: E você seria?

Felipe: O Vice-líder do grupo. E estamos precisando de mais gente.

Julio: Felipe depois eu quero falar com você e com o Emanuel.

Felipe: Ok.

Carol: Felipe, só falta você agora para tirar o sangue.

Depois de dois dias, Yuri e Keyla já estavam melhor, e estava tendo reunião, entre Felipe, Emanuel, Laura, Carol, Yuri e Rayne. Os cinco estavam discutindo sobre Ana.

Emanuel: Não gostei dela, meu voto é para ela não ficar aqui.

Yuri: Meu voto é dela ficar, eu gostei muito dela, e estamos precisando de gente que cuide dos animais.

Carol: Meu voto também é Não.

Laura: Por mim ela fica, e eu concordo com Yuri.

Rayne: Eu acho que ela poderia ficar, mas eu não gostei muito dela, ela tem um ar misterioso. Mas em questão aos animais ela será bem vinda.

Felipe: Ou seja, Sim ou Não?

Rayne: Sim.

Felipe: Com meu voto, temos quatro votos para ela ficar.

Emanuel: Então ela fica, mas eu vou deixar a Rafaela responsável para ficar de olho nela. E Carol, como Kelvin traiu-nos você concluiu a missão?

Carol: Não o vi depois que descobri que nos traiu. Mas o Julio pediu para elimina-lo.

Felipe: Falando no Julio, Rayne podes chamar o Julio e o Pedro?

Emanuel: Para?

Felipe: Saberemos em breve, também não sei do que se trata.

Rayne então foi chama-los, Pedro estava rindo junto de Julio, os dois pareciam muitos amigos.

Emanuel: Sobre o que querem falar?

Julio: Sei que errei no passado, mas vi que o futuro não deixará de ser o mesmo do presente. Então não vejo necessidade de ter uma organização para matar o governo se já estão mortos.

Yuri: Ou seja, querem se juntar a nós?

Julio: Sim.

Emanuel: Votação.

Emanuel: Não.

Yuri: Sim

Rayne: Sim.

Laura: Não

Carol: Sim

Felipe: Não

Emanuel: Pedro desempate a votação.

Pedro: pode deixar, meu voto é sim.

Depois que todos os assuntos foram tratados na reunião, foi anunciado aos outros que estavam esperando a resposta.

Emanuel: Depois de longas duas horas de discussão, Ana foi autorizada a ficar no shop, e a Equipe OAG estará se juntando a nós.

Andressa: Falei que você iria ficar aqui.

Emanuel: Temos apenas cinco quartos vagos, para seis pessoas.

Vitoria: Na verdade são quatro Emanuel.

Keyla: O Kelvin saiu do grupo, e isso deixa um quarto vago.

Andressa: A Ana poderia dormi no meu, peguei um muito grande, e eu não vejo problema em dividi-lo.

Ana: Por mim tudo bem.

Yuri: Decidido.

Assim logo Yana, Stephanie, Vitor, Julio, Rebeca e Ana se acomodaram e foram pegando um cargo.

Julio voltou ao posto de ficar na Defesa de longa distancia, Ana em cuidar dos animais, Rebeca em auxiliar Medico, Stephanie em ajudar na comida com Andressa, Yana em ficar em combate físico e Vitor em busca de suprimentos.

Yuri: Estamos ficando sem alguns itens, estou saindo para procurar.

Carol: Não vá sozinho.

Emanuel: Leve alguns dos novatos para ver como eles se saem.

Yuri: Pode deixar, Ana, Vitor, Stephanie, Carol e você vamos.

Yana: Eu tenho nome.

Yuri: To sabendo, vamos logo.

Assim, os seis saíram em um carro e uma Moto, a moto estava sendo dirigida por Vitor, e atrás dele estava Yana. No carro estava Yuri na direção, junto de Ana, Stephanie e Carol.

Os seis viajaram um longo caminho, passaram por algumas cidades e tudo que encontraram foram um carro funcionando. Carol foi dirigindo o carro que acharam junto de Stephanie, e Yuri junto de Ana.

Carol: Não gosto daquela menina.

Stephanie: A Ana?

Carol: Sim, tenho a sensação de que ela irá nos trair a qualquer momento.

Stephanie: Não será ciúmes?

Carol: De quem?

Stephanie: Por favor, todos sabem que você e o Yuri se pegam nas escondidas.

Carol: Isso não é verdade, só aconteceu algumas vezes.

Stephanie: Estou no seu grupo há quase um mês, e esse mês todinho eu vi vocês indo pro terraço, e só voltando horas depois.

Carol: Isso é... Olha uma cidade, de o sinal para os outros que estamos indo lá.

No carro onde Yuri estava dirigindo, Ana vê o sinal de Stephanie e avisa a Yuri.

Ana: Yuri, a Stephanie e a Carol estão indo naquela cidade.

Yuri: Ok avise ao João também, e vamos à cidade mais ao norte.

Ana: Pode deixar.

Assim os seis se separaram em duplas, Stephanie e Carol para o Sul, Yana e Vitor para Leste e Yuri e Ana para Norte.

Carol e Stephanie ao chegar à cidade, já são surpreendidas por ataques Zumbis.

Carol pega suas Tessen, e Stephanie sua AK-47, as duas descem do carro e começam a Atacar. Os tiros da arma de Stephanie só atraíram mais Zumbis, complicando a situação dela e de Carol.

As duas começaram a ser cercadas pelos Zumbis, ficando sem espaço para contra-atacar. Mas de Longe tiros de uma Sniper iam estourando as cabeças dos Zumbis.

Carol: O que é isso? Quem é?

Stephanie: Algum sobrevivente que escutou os tiros.

Os tiros da pessoa secreta iam diminuindo, e os Zumbis começaram a aparecer mais novamente, Ficando quase sem espaço para lutar, Carol coloca Stephanie atrás dela e a esconde na parede. Carol ia atacando, assim dava mais tempo de viver.

E novamente os tiros de longe apareceram, e eram mais de uma pessoa, os tiros eram muitos para uma pessoa só. Foram eliminando os mais próximos de Carol e de Stephanie.

Carol: De novo.

Stephanie: Estão brincando com a nossa cara.

Carol aproveitou enquanto as pessoas desconhecidas iam atirando, e foi eliminando os zumbis novamente. Eliminando todos os zumbis, os tiros pararam.

Carol: Acho que sem quem é.

Stephanie: Quem?


Carol: Pelo estilo que atira, é impossível que seja...
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 20/10/2014, 21:38

Capítulo 26 - Enganando a Morte


A cidade que estava infestada de zumbi havia sido limpa rapidamente por algumas pessoas desconhecidas. Stephanie achava que quem as salvou eram mais de uma pessoa. Mas Carol sabia que era apenas uma Pessoa.

Carol: Eu sei quem nos salvou.

Stephanie: Quem?

Carol: Um cara que me salvou uma vez e a Rayne também. Pensei que ele estava morto.

Stephanie: Fala logo quem é!

Carol: Vamos até ele.

Stephanie: Era só uma pessoa?

Carol: Se é quem eu estou pensando, é sim.

Carol e Stephanie se dirigem em direção dos tiros que as salvaram. Chegando lá encontraram uma pequena torre de vigia. Deveria ser da guarda selvagem antes do apocalipse.

Carol pediu para que Stephanie a esperasse em baixo, e subiu sozinha. Demorou um bocado de tempo lá, Stephanie já estava preocupada, talvez lá tivesse zumbis que a pegou desprevenida, ou era um grupo de homens que estupravam.

Stephanie: Ai meu Deus, são estupradores. Carol já estou chegando.

Stephanie subiu a torre e se deu de cara com Carol conversando com um Homem. Carol viu que Stephanie estava lá em cima e apresentou para o homem secreto.

Já no sul da Zona, Yuri estava com Ana andando por uma cidade aonde tinham muitos zumbis caídos com a cabeça perfurada por balas.

Ana: Acho que alguém já passou por aqui.

Yuri: Vamos procura-lo, talvez esteja sozinho, ou talvez esteja com um grupo pequeno e sem comida.

Ana: Mas nós também não estamos sem comida?

Yuri: Pra que tu acha que são aqueles animais?

Ana: Entendi por que a quantidade de Porcos e Vacas e Galinhas...

Ana e Yuri continuaram andando quando escutaram tiros, e assim os dois foram correndo em direção. Era uma multidão de Zumbi atrás de uma pessoa. Esse homem estava com uma mini metralhadora.

Ana subiu numa casa e pegou sua Sniper e começou a atirar, já Yuri desembainhou a sua espada e começou a cortar as cabeças dos Zumbis.

Os dois trabalhavam em perfeita sintonia, Yuri com sua espada cor sorte às vezes cortava uma ou duas balas da arma de Ana, fazendo as balas atingir mais zumbis, economizando balas.

Ana concentrada em atirar só na multidão de zumbis em baixo esqueceu-se de suas costas. Nisso um zumbi conseguiu subir a casa e foi se aproximando de Ana. O zumbi parecia esperto, ia se aproximando com cautela sem fazer nenhum barulho.

Ana tinha uma grande concentração em matar, pegou uma pistola que estava presa em sua coxa e mirou na cabeça do zumbi, e continuou atirando com a Sniper. E ao mesmo tempo deu dois tiros, um com a Sniper e outro com a Pistola. O tiro da pistola foi certeiro no zumbi que se aproximava atrás dela, e a bala de Sniper acertou o zumbi que estava para morder a perna de Yuri.

Depois de um tempo, os zumbis tinham sido eliminados, e o homem que estava com a mini metralhadora era ninguém menos que o Antony. Ele tinha deixado à barba e o cabelo crescer e tava com duas malas gigantes presas em seus ombros.

Yuri: Mas Antony, como você? A Laura disse que você morreu.

Antony: Não morri só tava cansado deles.

Ana: Quem é esse?

Yuri: Uma pessoa que pensávamos que estava morto.

Yuri: Mas como você implantou sua morte?

Antony: Apenas peguei um sobrevivente alheio que ninguém viu, desacordei-o, e esperei a hora certa. A Laura tava ocupada protegendo os filhos dela e todos em limpar aquele Shopping.

Yuri: Continue.

Antony: O cara desacordado por sorte parecia comigo por causa do corte de cabelo. Apenas coloquei minhas roupas nele, minha arma na mão dele. Depois o acordei enquanto era comido, aproveitei aquela droga que você me ensinou, e gritei para a Laura pensar que era eu. Depois fui embora com uns armamentos que roubei.

Ana: Que droga foi essa?

Yuri: Um que queima completamente as cordas vocais impedindo de falar ou soltar qualquer som pela boca.

Ana: Pra que você criou essa droga?

Yuri: Invasões em bases de sobreviventes que venham ser ameaça a nós.

Antony: Bem, agradeço que me ajudou, mas estou indo.

Yuri: Venha com a Gente.

Antony: Para que? Para o cara que me incentivou a viver nesse inferno, ir embora de novo e de novo?

Ana: De quem ele tá falando?

Yuri: Faço a menor ideia.

Antony: Foi mal, mas vou viver sozinho, até encontrei um companheiro esquentado... Só que ele não pode ver uma mulher...

Ana: Por quê?

Antony: Ele disse que estupra as mulheres que ele vê que por causa desse apocalipse ele não faz, mas sexo frequentemente.

Ana: E-E Onde ele está A-agora?!

Antony: Relaxa menina, ele tá na cidade ao sul daqui.

Yuri: A Carol está lá!

Ana, Yuri e Antony adentram o carro e rapidamente se locomove a cidade em que Carol e Stephanie estavam.

Já na cidade ao Leste, Vitor e Yana não tiveram nenhum encontro, apenas com os Zumbis. Vitor era especialista em pistola automática, carregava consigo setes, e Yana já usava mais Machado.

Os dois se dividiram na cidade, Vitor encontrou-se com vários zumbis, pegou quatro de suas pistolas, as arrumou em suas mãos e começou a atirar, rapidamente não tinha mais zumbis.

Yana também encontrou com vários zumbis, mais até do que Carol havia enfrentado. Mas assim que Yana viu os zumbis ela fechou as mãos e começou a esmurrar a cabeça dos zumbis, depois tirou seu enorme machado de suas costar e terminou de matar os zumbis.

Os dois se encontraram na saída da cidade com suas mochilas cheias de suprimentos e foram na frente.

Depois Carol e Stephanie se encontraram no caminho com Yuri, Ana e Antony.

O Homem secreto ficou com o Antony na estrada, e Carol e os outros continuaram a missão, e voltaram algumas horas depois com suas mochilas cheias de suprimentos.

Yana e Vitor foram os primeiros a chegarem ao shop, Yana ficou na entrada, e Vitor foi guardar sua moto na garagem na qual a equipe tinha vários carros funcionando perfeitamente.

Emanuel: Cadê o Yuri e os outros?

Yana: Sei lá, nos dividimos em duplas, e cada um foi para uma cidade diferente.

Rafaela: Emanuel, consegui chegar primeiro que eles, tenho noticias.

Emanuel: Venha comigo.

Rafaela e Emanuel foram num quarto e começaram a discutir.

Rafaela: Segui a Ana como me pediu, ela estava com o Yuri.

Emanuel: E?

Rafaela: O Antony está vivo.


Emanuel: Mas como?
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 28/10/2014, 22:44

Capítulo 27 - O provável Inicio do Fim
Fim da 3º Temporada
[color=#000000]

Emanuel: Como é possível que o Antony esteja vivo?

Laura: O Antony está vivo?

Rafaela: Sim, eu vi com meus próprios olhos.

Laura: Mas eu o vi sendo comido junto de meus filhos.

Yuri adentra a sala já interrompendo a fala de outros, contando a história.

Yuri: O Antony não morreu, ele apenas quis sair do grupo, e como ele era um dos primeiros membros daqui, sabia que se ele fosse embora, vocês iriam atrás.

Emanuel: Então o que ele fez para sabotar a própria morte?

Yuri: Ele pegou um sobrevivente caminho daqui, trocou as roupas o dopou e deixou sendo comido. Ele tentou levar Paulo e Paula com ele, mas eles já haviam sidos comidos.

Laura: E por que ele não veio com vocês?

Yuri: Como disse, ele quis sair do grupo.

Emanuel: Vamos atrás dele então, está sozinho.

Carol: Não, ele não está sozinho, está com um cara de minha confiança.

Lívia: Como sabes disso?

Carol: Por que foi ele que me salvou e salvou Rayne no inicio desse inferno.

Rayne: Impossível, pensei que estava morto...

Emanuel: Quem?

Carol: Um cara ai na vida, um que vocês não vão querer nem como amigo muito menos como inimigo.

Laura: E por que confia nele?

Carol: O fato de eu confiar nele não é da sua conta.

Julio: Vish, gente olha o estresse.

Rayne: De fato, também confio nele, Antony vai está melhor do que com a gente.

Pedro: Rayne, quem é?

Rayne: Aquele que eu disse outro dia.

Pedro: Ata.

Yuri: Enfim, a missão de pegar suprimentos foi completada, e eu vou dar uma volta.

Emanuel: Espere vocês não me contaram como foi à missão.

Carol: Já foi dito que foi completa o que mais importa.

Ana: Carol você deveria ser mais educada.

Carol: Cala a boca, você entrou agora no grupo e já quer palpitar.

Yuri chega atrás de Carol e a pega no colo e tampa a boca dela com um beijo.

Yuri: Quem deveria calar a boca é você, hoje você está muito chata.

Carol: Ei, você prometeu não na frente dos outros.

A Carol mesmo sendo uma morena de pele mais clara, dava-se para ver a quão envergonhada estava pela ação de Yuri.

Yuri: Emanuel ainda está com a moto do Henrique?

Emanuel: Sim... Por quê?

Yuri: Vou passear um pouco, mas volto ainda hoje.

Ana: Yuri cuidado, já ta anoitecendo.

Carol: Humpf...

Ana: O que foi Carol?

Carol: Nada ué, só achando estranho você ficando muito próxima do Yuri.

Ana: Algum problema?

Carol: Tem sim, até por que eu e ele estamos namorando.

Ana: Ata entendi... Relaxa queridinha, você deveria confiar mais na sua tacada, hoje em dia está em falta um homem...

Carol: Ora sua...

Ana: Desculpa, mas eu prefiro homens mais fortes e maiores.

Felipe: Alguém me chamou na conversa?

Ana: A gente estranha, eu falo que gosto de gente grande e forte, e o Shrek vem aqui... To indo para meu quarto.

Yuri: Vou aceitar como um elogio...

Felipe: O que foi? Escutei alguém falando de mim...

Yuri: Foi nada Felipe, Carol pega minhas espadas? Espero-lhe no portão.

Carol: Ok, já vou.

Carol subiu no seu quarto aonde era dividido com Yuri, e pegou as espadas dele, e na volta passa pelo quarto de Ana e a encontra chorando de cara no travesseiro com uma foto.

Carol com todo ciúmes que tinha, ficou com dó e foi se desculpar, chegando lá olha para a foto e vê que Ana segurava um garotinho de dois anos, junto de uma Mulher segurando uma mulher.

Carol: Ana, licença.

Ana: O que você quer?

Carol: Vim me desculpar, meu ciúmes idiota lhe magoou.

Ana: Tudo bem, mas a culpa foi minha também.

Carol: esses ai na foto é seus filhos e sua irmã?

Ana: Eram meus filhos e minha esposa.

Carol: Ata...

Ana: Só me aproximei dele por que ele me fazia lembrar muito ela. A forma dócil querendo ser marrento, o sem graça tentando ser engraçado. Fazia tanto tempo que não via isso em alguém que quando eu vi quis ficar muito junto.

Carol: Desculpa mesmo, agora que sei que só se aproximou dele por que ele lembrava sua amada, não me importo de deixa-lo ser seu amigo próximo.

Ana: Na verdade só ta deixando por que sou homossexual né?

Carol: Sim, mas quis ser educada.

Ana: Você me lembra muito ela também.

Carol: Em que sentido?

Ana: Ciúmes, oh mulherzinha para ter ciúmes era aquela... E acho que o Yuri está te esperando lá fora.

Carol: É mesmo, lembrei por que ele me chamou para sair.

Ana: Por quê?

Carol: Hoje completa dois anos que estamos juntos.

Ana: Aproveita bastante, e cuidado já ta anoitecendo.

Ana limpou as lagrimas de seus olhos e deu um sorriso, dava para ver que seu sorriso era um pouco forçado, estava tentando esconder a tristeza. Mas com sua pele branquinha com bochechas avermelhadas por cauda do choro, e um sorriso lindo, Carol até pensou com sigo mesma – “Me apaixonei por ela, que cara fofa foi essa?” – Ana tinha feito uma cara muito fofa.

Carol desceu a escadaria correndo, e logo se encontrou com Yuri no portão do shopping.

Yuri: Tava fazendo o que para demorar tanto?

Carol: Fazendo uma nova amiga.

Yuri: Bem, vamos andar um pouco e ver se achamos suprimentos.

Carol: Esqueceu que dia é hoje?

Yuri: Não, hoje não são 25 de Novembro de 2017?

Carol: Idiota!!

Yuri: Maluca, mas enfim sei de uma cidade que não tem nenhum zumbi lá. Vai ser fácil pegar suprimentos.

Carol: Ta vai logo seu idiota!

Yuri com a moto de um antigo companheiro acelerou a moto e foi em direção à cidade que havia encontrado. No meio do caminho, os dois em cima da moto vão passando por uma pista na qual as laterais possuíam velas e rosas brancas e vermelhas.

Depois de uma longa viaje, Yuri chegou num prédio onde estava iluminada a luz de velas, e no terraço com a vista para montanhas verdes que cobriam um pouco da lua cheia num céu todo cheio de estrelas.

Carol: Mas você não disse que esqueceu o dia de hoje?

Yuri: Eu nunca disse isso, eu disse a data de hoje, não o evento.

Os dois ficaram a noite todinha deitados num colchão perto de uma mesa com vinho e espaguete com salsicha. Já no Shopping eles estavam com um pequeno problema.

Ana: Os Animais, os animais viraram Zumbi!

Emanuel: Como?

Ana: Alguns zumbis conseguiram entrar, e os animais foram mordidos, apenas os Peixes e os cachorros estão ainda vivos!

Lívia: Deu tanto trabalho para encontrar aqueles animais, e essa agora também. Animais virando zumbi.

Keyla: Ajudem aqui, eles estão na porta principal, às forças deles são maiores que as dos zumbis normais.

Emanuel: Mas que hora que o Yuri e a Carol tiveram que sair.

Vitoria: O barulho dos nossos tiros nos animais trouxeram mais zumbis e os portões foram quebrados. São muitos zumbis para dar conta e estão vindo de todas as Direções,

Rafaela: Os portões caíram na parte de trás também, são muitos.

Emanuel: Bem, vamos lutar com o Maximo que conseguirmos, no terraço tem paraquedas para todos, eu sei aonde o Yuri foi, se não conseguirmos dar conta dos zumbis, vamos para o terraço, lá vamos para o sul com os paraquedas, de acordo com meus cálculos, vamos cair em cima de um ônibus que eu preparei para fuga nesses casos.

Laura: Hora de Atacar.

Ana tinha gasto todas suas balas de sua Sniper, e acabou pegando no quarto da Carol uma das espadas da coleção de Yuri. Rayne estava perto dos peixes e dos jacarés, e como estava sem arma, só ia jogando os zumbis no lago das Piranhas ou dos jacarés, que eles mesmos devoravam.

Foram longas horas de lutas, Ana pegou gosto pela espada e começou a inventar combos na hora fazendo com que os zumbis fossem derrotados rapidamente.

Yana, Suzany e Vitoria estavam do lado de fora do shopping com seus machados atacando os zumbis, Keyla com seu martelo gigante pulava e esmagava os zumbis no chão. Julio, Andressa e Vitor e Ana estavam à procura de balas para suas armas, logo após encontrarem se separaram um para cada direção do segundo andar, começaram a atirar nos zumbis que se aproximavam de longe.

Carol: Escutou?

Yuri: O que?

Carol: São tiros, e estão vindo de direção do Shopping.

Yuri: Pera que já vejo.

Yuri havia preparado um telescópio para eles verem as estrelas mais de pertos, porem nessa hora, Yuri pegou o telescópio e mirou em direção ao Shopping, e viu que milhares de zumbis estavam invadindo, e de mais longe, mais estavam sendo atraídos.

Yuri: Vamos, depois comemoramos novamente isso.

Carol: O que foi?

Yuri: Parece o inicio do apocalipse, tem vários zumbis indo para o Shopping.

Os dois se dirigiram para o Shopping e foram ajudar, Yuri pegou um pano e colocou na entrada do tanque de gasolina da moto, pediu para que Carol descesse e ficasse com uma de suas espadas, depois acendeu o pano e foi em direção aos zumbis, quando o pano tava para chegar no tanque Yuri ficou em pé na moto e pulou para trás.


A Moto foi de encontro com os Zumbis e logo explodiu diminuído muito dos zumbis.
avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Kohu em 28/10/2014, 22:45

4º Temporada
Capítulo 28 - Uma Pequena chance de vitória

Mesmo explodindo muito dos zumbis, ainda havia muitos que estavam tentando invadir o shopping onde todos estavam tentando impedir a invasão.

Yuri e Carol de longe com as espadas, iam eliminando os zumbis que estavam de costa, enquanto no segundo andar os que possuíam armas de longa distancia, iam também eliminando os que viam de longe.

Yuri: O que acontece?

Carol: Não faço a menor ideia.

Keyla: Yuri e a Carol voltaram, estávamos ficando já em desvantagem.

De longe, Emanuel pegou um Alto Falante e gritou para que todos ouvissem.

Emanuel: Sei que estamos ficando cansados, mas poderemos descansar quando isso acabar. Já sobrevivemos com esse tipo de situação há quase cinco anos, e não será agora que iremos perder!

Todos: Isso aí!

Depois das palavras de Emanuel, todos criaram uma força de batalha enorme, Keyla e Vitoria se juntaram e começaram a lutar juntas, uma sozinha era forte, mas as duas tinham uma força anormal.

Keyla atacava e Vitoria contra-atacava ao mesmo tempo, Laura começou a usar os dois lados de sua arma eliminando mais zumbis.

Andressa, Vitor, Julio, Stephanie e Ana começaram a recarregar as suas armas com mais rapidez, Ana e Julio até começaram a usar duas Sniper ao mesmo tempo.

Carol conseguiu pegar sua arma e logo tirou seu traje pesado e ficou mais rápida, ajudando bastante. E assim todos começaram a lutar com mais vontade.

A batalha foi árdua e duradoura, depois que muito dos zumbis foram eliminados, todos já estavam exaustos, já não tinham mais nem força para ficar em pé. Mas por sorte algo muito rápido para ser visto, começou a cortar a cabeça dos zumbis.

Rebeca: Mas o que?

Yuri: Isso é impossível, pensei que o Julio tinha matado ele.

Carol: Estou vendo bem pouco, como ele consegue ser tão rápido?

Yana: Quem é gente?

Vitor: O Yuri disse que era alguém que o Julio tinha matado quem será que é...

Julio: Culpa da espada do Yuri que não Matei. A E0 Voltou!

Andressa: Não temos mais forças para lutar contra os zumbis, imagina com a E0...

Mateus: Ora se não é o grupinho que destruiu meus planos.

Felipe: Deixa que eu acabo com ele.

Felipe vai em direção de Mateus, mais devido ao cansaço da batalha, cai no chão com as pernas dormentes.

João: Poupe-nos, vocês não conseguem mais matar um zumbir juntos, vai nos derrotar?

Da mata perto do shopping três homens se aproximam na escuridão, lançando dardos tranquilizantes, João, Gabriel e Francisco foram atingidos e caíram no chão inconscientes.

Mateus: Quem são vocês?

Os três que estavam atrás das árvores começaram a atirar vários dardos tranquilizantes, porém Mateus com sua foice começou a ricochetear os dardos, e dois deles acertaram Lívia e Yuri que caíram imediatamente no chão.

Mateus: Parece que eu não fui o único que ficou afim do shop, ficou só esperando o resto cansar e depois contra-atacar,

Emanuel: Então foi você que trouxe tanto zumbi?

Mateus: Trouxe três, o resto atrai a certa distancia, mas eles vieram aqui por causa dos tiros.

Emanuel: Droga, como vamos fazer para ficar no Shopping.

Mateus: Espere aqui, quando eu acabar com eles ali, vocês serão os próximos.

Os três saíram de trás da árvore causando um impacto muito grande nos demais.

Antony: Desculpa Mateus, mas não viemos tomar o Shopping, viemos a ajudar a eles a ficarem com o Shopping.

Henrique: E também estou a fim de cortar uma cabeça grande e gorda, e olha, estou vendo um.

Gustavo: Ok parem crianças, não viemos lutar, só fazer amizades amiga...

Antony: Ai ai... Vai começar.

Gustavo: Olha o tanto de garotas! Nunca vi tantas meninas juntas, e tem até Gêmeas!

Emanuel: Agradeço a Ajuda, mas pode tirar os olhos dessa Aqui, venha Laura.

Pedro: Rayne vem para cá!

Carol: Tomar no centro... O Yuri tinha que esta dormindo agora?

Julio: Rebeca sobe aqui para o segundo andar e saia de perto desse pervertido.

Gustavo: Como assim? Rayne ta namorando? Carol também?

Carol: Longas histórias, Antony depois conte a ele, por favor...

Gustavo: Mas e eu? Bem isso não importa agora, só sei que os amigos da Carol e da Rayne são meus amigos.

Mateus: Pode vir os três!

Mateus aponta sua foice na direção de Antony e os outros e se movimenta rapidamente, logo aparece atrás de Gustavo e o acerta com um dos dardos, e depois acerta Antony com outro.

Os dois caíram no chão inconscientes, porém Henrique continuou vivo. E ao ver que ia ter que encarar Mateus sozinho logo pegou a espada da Lívia e partiu para cima.

Mateus estava rindo e apenas defendendo os ataques de Henrique, e com uma mão ele tampava a boca que bocejava e a outra segurava a foice.

Mateus: Cansei de brincar.

Mateus encara Henrique e começa a correr, depois que passa de Henrique ele olha para o mesmo que vê caindo no chão sem uma parte de sua cabeça.

Mateus: Estou muito sem pratica, o pedaço da cabeça dele ficou presa...

Henrique havia morrido, e muitos estavam inconscientes de cansaço ou dos dardos.

Mateus foi reunindo todos no pátio, menos seus aliados, depois que reuniu os amarrou-os e começou a tacar gasolina em cima deles. Porem antes de acender os sobreviventes, Mateus sentiu uma presença atrás de si, que quando vira desvia de um ataque.

Yana tinha se preparado para um ataque surpresa para contra-atacar, porém Mateus a surpreendeu impedindo seu ataque com a Foice dele.

Mateus: Ora, parece que temos alguém com muita disposição de batalha.

Yana: Pode vir.

Os dois começaram uma luta inacreditável, Yana era mais rápida, mais forte e mais ágil que aparentava, e Mateus mostrava felicidade em uma batalha árdua e duradoura.

Vitor: O que está fazendo?

Rafaela: Essa não é a primeira que sou presa por cordas e correntes, é só uma questão de paciência para conseguir me livrar.

Vitor: E depois?

Rafaela: Agora eu vou soltar os que estão longe do campo de visão dele como combinei com a Yana.

Vitor: Sabia que seriamos presos?

Rafaela: Tinha a sensação que isso ia acontecer.

Rafaela foi caminhando rapidamente e escondido de Mateus e foi liberando Carol, depois Lívia e assim iam livrando todos.

Mateus: Rafaela, eu sabia que era isso que faria porem essas cordas e algemas possui um veneno que vai entrando pela pele sem nem demonstrar nenhum ferimento. Ou seja, nessa altura já deve está chegando ao coração.

Yana: Bom saber disso!


Yana dá uma rasteira enquanto Mateus estava distraído falando com Rafaela, e joga cordas e algemas em cima dele, e amarrando a ponto de machucar bastante.

avatar
Kohu
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por ADM.Xerneas em 10/11/2014, 19:15

Legal, continue :D
avatar
ADM.Xerneas
Administrador


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Zombie Apocalypse

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum